Wednesday, November 03, 2010

A poética do espaço - Gaston de Bachelard

Sobre as imagens (em texto cortado):
Bachelard pede que captemos a realidade específica da imagem.
A comunicabilidade de imagem singular é um fato de grande significação ontológica;
Em sua simplicidade a imagem não tem necessidade de um saber.
Tudo que é especificamente humano no homem é logos. Não chegamos a meditar numa região que estaria antes da linguagem.
Nada prepara uma imagem poética; nem a cultura, no modo literário; nem a percepção no modo psicológico.
Superar os problemas da descrição - seja ela subjetiva seja ela objetiva – quer se refira a fatos ou impressões, busca atingir as virtudes primárias, inerente a função original do habitar.
Casa canto, primeiro universo
Casa, corpo de imagens, razão ou ilusão de estabilidade.
A casa, do porão ao sótão, o sentido da cabana
Dois temas principais de ligação da psicologia da casa:
Um ser vertical, nos leva a consciência da verticalidade – o sótão e o porão;
Um ser concentrado; nos leva a consciência da centralidade.
Em Paris não existem casas. Em caixas sobrepostas vivem os habitantes da grande cidade. Nosso quarto parisiense entre suas quatro paredes é uma espécie de lugar geométrico, um buraco convencional que mobiliamos com bibelôs e armários dentro de um armário ver Bachelard. p. 44.

Gustave Caillebotte. Rue de Paris, temps de pluie; Intersection de la Rue de Turin et de la Rue de Moscou . 1877

A casa já não conhece os dramas do universo segundo Bachelard.


O problema da arquitetura que Lina Bo Bardi propõe na casa do Morumbí é a criação de um ambiente “fisicamente abrigado”, que ao mesmo tempo participasse daquilo “que há de poético e ético, mesmo numa tempestade”. “Esta residência representa uma tentativa de comunhão entre a natureza e a ordem natural da coisas, opondo aos elementos naturais o menor número de meios de defesa”.

A casa e o universo
Segundo Bachelard, a casa isolada vem lhe dar imagens fortes, conselhos de resistência. O problema não é de ser, é um problema de energia. Comunhão dinâmica entre o homem e a casa, na rivalidade dinâmica entre a casa e o universo, estamos longe de qualquer referencia às simples formas geométricas. A casa vivida não é uma caixa inerte. O espaço habitado transcende o espaço geométrico. Uma casa cósmica existe potencialmente em todo sonho de casa.
“Toda arquitetura é uma expressão da saudade do lar” Greg Lynn
Estranha situação os espaços amados se desdobram, nos transportam a outros lugares.
Louise Bourgeois, Red Room (Parents), 1994
Detail. Mixed media, 247.6 x 426.7 x 424.2 cm
Private collection
Photo Peter Bellamy
© Adagp, Paris 2008
 

A

3 comments:

Regina Henn said...

Adorei o blog! =)

verdecéu said...

muito interessante o blog!

Marcelo said...

Olá pessoal,
Tudo bem? Recentemente foi publicado um livro sobre as intervenções urbanas e ações poéticas do Poro: http://poro.redezero.org/livro/
Dêem uma olhada nesse link acima para conhecer um pouco da publicação e, se puderem, ajudem a divulgar.
Abraços,
Marcelo